08 junho 2010

A culpa...

(imagem daqui)

Quando um determinado indivíduo, no pentatlo, atingiu involuntariamente com um dardo Epítimo de Farsália e o matou, [Péricles] passou o dia inteiro a discutir com Protágoras se, segundo o juízo mais correcto, se deviam considerar como culpados do funesto acontecimento o dardo, o lançador do dardo ou os organizadores dos jogos.

Plutarco, Péricles, 36 - DK80 A10
Edição de Sofistas, Testemunhos e Fragmentos, INCM, 2005.

6 comentários:

Gi disse...

E concluíram alguma coisa?

Méon, disse...

É porque eles não tinham recurso ao "Prós e Contras" da dona Fátima...

redonda disse...

E qual foi a conclusão a que chegaram?

Xantipa disse...

Gi e Redonda:

Plutarco não diz!
:)
O interesse deste episódio, para os estudiosos é o facto das questões ético-jurídicas serem já discutidas na altura, mas o contexto é outro.
O filho mais velho de Péricles, porque o pai lhe dava uma mesada demasiado pequena e não lhe pagava as dívidas, decidiu achincalhá-lo na praça pública, revelando as conversas que aquele tinha com os sofistas, para que as pessoas se rissem. Esta história era uma das que Xantipo (sim, era o nome do rapaz, mas não tinha da a ver comigo) contava para ridicularizar o pai.
:)
Beijinhos!

Xantipa disse...

Méon,

Pois é!
;)
Beijinhos!

José Ricardo Costa disse...

Se a discussão fosse actualmente num tribunal português a culpa seria certamente do dardo...
JR