31 janeiro 2009

Como disse?

(a imagem do Escher fui buscar aqui)
Oiço mal.
Isto é, oiço o que me dizem mas compreendo mal. Deve haver uns circuitos na linha interpretativa que me fazem não perceber o óbvio.
Esta minha incapacidade (aqui não é mania, é mesmo uma incapacidade), quando não detecto a tempo que está a acontecer, leva a alguns diálogos absurdos. Felizmente consigo disfarçar na maioria das vezes.
A razão é sempre a fonética. As regras da nossa língua fazem com que, por exemplo, um 's' em final de palavra quando junto a uma vogal que inicia outra palavra soe como 'z'. O exemplo que se dava na faculdade era o das «janelazamarelas». Como não sei usar aqui o alfabeto fonético, vou ligar as palavras, tal como as ouço, para mostrar como funciona:

Ela - Arranjei-te «umachpinhas» para comeres.
Eu - Umas espinhas?

Ela - Sim, «umachpinhas». Não gostas?

Eu - De espinhas?

Ela - LOL. Não.
Sopinhas!
Eu - Ahhhh!


Ele - Tens aí «umapinha»?

Eu - Uma pinha?

Ele - Sim. «Umapinha».

Eu - E para que queres tu uma pinha?

Ele - Para ver qual o melhor caminho para chegarmos lá.

Eu - Ahhhh! Um
mapinha!
Ele - E não foi o que eu disse?


Isto vem de longe, muito longe.
Nos meus tempos de escuteira, adolescente, fomos a um festival da canção escutista e concorremos com uma letra escrita pelo nosso chefe da altura, um digníssimo bloguista que visita este espaço (não sei se quer que o identifique). Uma das palavras que ele lá pôs intrigou-me: «praicidade». Ele há tantas palavras terminadas assim: a unicidade, a duplicidade, a simplicidade... o que seria praicidade?
Só quando vi escrito percebi. Dizia a frase «para isso idade».

Recuando mais, criança pequena, quando me benzia «pelo sinal da santa cruz...», ficava intrigada, pois bem me esforçava para encontrar nas cruzes que via onde estava o pêlo e o sinal, como aqueles que algumas velhas tinham na cara.

Cataloguei isto como o faz o Bagaço Amarelo no seu blogue: coisas tão estúpidas que até tenho vergonha.

6 comentários:

Gonçalves Ozório disse...

Não te preocupes. A fala tornar-se-á obsoleta dentro em breve, se já não o é.

Anónimo disse...

Coincidencia ou não, tenho uma cá que tambem se saiu com essa do "umapinha"
Será por causa do signo ser o mesmo? Dai que se confirma o seres de uma colheita rara...
Oppugnator

Cartas a Si disse...

Muito obrigada por este "post", deixou-me de sorriso no rosto.

Eu também tenho dificuldade em perceber o que me dizem, às vezes parece que as pessoas estão a falar uma língua estranha comigo. Ainda hoje, no meu local de trabalho, levei uns 15 minutos a tentar perceber o que um cliente me queria dizer, até que tive de lhe pedir que escrevesse. Acredite que este "problema de audição" já me causou situações bem hilariantes.

Teresa disse...

adriana,

o que eu me ri com o "pelo sinal da santa cruz"!!!

um beijinho e fica bem :)

Anónimo disse...

Ná...tens a mania de me imputares as autorias...
Quem escreveu a letra foi o nosso Camões, o Zé Victor.
Não tenho qualquer ideia de ter escrito canções.

S.M. disse...

LOL LOL LOL !
Só tu! Pois olha eu estou a ficar surda, mesmo (-53% no ouvido direito) e não imaginas as risotas cá em casa qdo se põe a falar-me "à direita".
Mas o meu trauma infantil era com o hino português. Eu não percebia aquela coisa da "nação valente e mortal" e pior ainda os "igreijos avós" ( o que é q a igreja tinha que ver com aquilo?)... não explicam!
Mas não te preocupes, porque a surdez selectiva dá um jeitão e, como diz uma amiga minha, 50% daquilo que as pessoas dizem não interessa, portanto ouvir metade chega muito bem.
Beijokas