08 novembro 2009

Discurso (pouco) secreto na montanha...

... de Hermes Trimegisto ao seu filho Tat , onde enuncia os 12 tormentos que existem em nós e nos castigam:

Tat - Também tenho esses tormentos em mim, pai?
Hermes - E não são poucos, meu filho, mas muitos e temíveis.
Tat - Não os conheço, meu pai.
Hermes - Esse é um, meu filho, o desconhecimento é um tormento. O segundo é o sofrimento, o terceiro a imoderação, o quarto a luxúria, o quinto a injustiça, o sexto é a ganância, o sétimo o engano, o oitavo a inveja, o nono a fraude, o décimo a ira, o décimo primeiro a impetuosidade e o décimo segundo a maldade. São doze, pois, os tormentos. Mas por baixo destes, meu filho, há muitos outros (...)
Corpus Hermeticum, XIII, 7 (tradução minha)

12 comentários:

Anónimo disse...

Cara Xantipa, isso parece ser o enunciar das características dos "desgovernos" de uma Re-publica de malandros...
Ainda bem que nada disto nos é familiar!

Oppugnatore

Maria, Simplesmente disse...

Xantipa, esses tormentos são hoje, e parece-me que para sempre, o nosso sofrimento!
É que todos os dias os vemos bater à nossa porta, e não conseguimos que se afastem para longe.
E este não saber como os afastar é realmente o maior de todos.
Boa semana
Maria

Méon, disse...

Cá vou passando!... e aprndendo sempre!

Que o sol e o mar dos Algarves te conservem bem viva de espírito e intensa de partilhas que aqui nos deixas.

Bj, Amizade!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Com a sua permissão, vou fazer link deste post amanhã, na rubrica "Gostei de ler".

continuando assim... disse...

Adriana , passei para te agradecer o comentário no continuando assim..

passarei com mais calma para te ler :


um beijo e obrigada a tua opinião foi importante para mim

teresa

marta disse...

Temos o que há de melhor e o que há de pior
É isso a Humanidade

Xantipa, ando à procura de um post teu e não sei como o procurar.
lembras-te? sobre as almas gémeas, a metade que nos foi arrancada?

beijinho

Xantipa disse...

Querida Marta,
Esse post fez parte de uma série que coloquei sobre o diálogo de Platão «Banquete». Fiz uma busca no blogue sob essa palavra

http://senhorasocrates.blogspot.com/search/label/Banquete

e encontrei alguns dos que se lhe referem. Podes seguir por aí. Não sei se a parte que te interessa está aí. Se não, diz.
Beijinhos

Xantipa disse...

A todos, muito obrigada pelos comentários.
Beijinhos

marta disse...

Obrigada, minha querida.
Deve estar

beijinho agradecido

www.angeloochoa.net disse...

Sobre o Banquete, Adriana, não esquecerei jamais a fala da mulher mantineia sobre o contemplar da beleza -- bem imperecível e inesquecível que a vida toda justifica... mas sobre a maldade... e as maldades... por certo a Adriana conhece o sábio sofisma do Einstein jovem aluno... que nos ensina ser somente ausência de bem, tal qual a escuridão ausência de luz... puros conceitos, não no sentido socrático de conceito, claro.

www.angeloochoa.net disse...

A Mirjana Soldo, de Medjugorje…
PRIMEIRO ÚNICO SONETO DO JARDIM DO LUXEMBURGO:
Pombos e pombas de todo o mundo, que, onde quer que vá e pare,
ronronais rabiocantes ante meus pés quase descalços
a quietude, a mansidão - por tudo haverdes por nada.
Vós, sem voz, sempre eloquentes, timidamente me dizeis
que não oscile milímetros no meu ânimo
ante a completude haurida, plena graça,
que não vagueie dos vãos afãs, antes sossegue
num pulsar divino em sintonia com o coração do mundo.
E viagem termine antes de toda a partida,
viagem quieta, voo estancado na melhor da altura,
qual, desde aqui em baixo, absoluta reside.
Poeta, deixeis os comuns mortais erguerem-se, e abalarem.
Não os tereis mais, como outrora, suspensos do vosso olhar,
esses que amaríeis rever convosco no coração da cor.

Fada do bosque disse...

Xantipa, gostaria que aceitasse um pequeno desafio. que lhe deixei no meu modesto blogue. Obrigada.
Um abraço