20 setembro 2009

Pelo que diz Sócrates, somos todos sensatos...

Ora o maior dos castigos é ser governado por quem é pior do que nós, se não quisermos governar nós mesmos.
É com receio disto, me parece, que os bons ocupam as magistraturas, quando governam; e então vão para o poder, não como quem vai tomar conta de qualquer benefício, nem para com ele gozar, mas como quem vai para uma necessidade, sem ter pessoas melhores do que eles, nem mesmo iguais, para quem possam relegá-lo.
Efectivamente, arriscar-nos-íamos, se houvesse um Estado de homens de bem, a que houvesse competições para não governar, como agora as há para alcançar o poder, e tornar-se-ia então evidente que o verdadeiro chefe não nasceu para velar pela sua conveniência, mas pela dos seus súbditos. De tal maneira que todo aquele que fosse sensato preferiria receber benefícios de outrem a ter o trabalho de ajudar ele os outros.


Platão, República 347c-d.
Sempre esta tradução.

9 comentários:

Ana Cristina Leonardo disse...

Não sei se a ironia socrática seria hoje percebida por muitos. Bom, mesmo no tempo dele... Afinal, acabou a beber a cicuta, não foi?

Xantipa disse...

Pois foi, Ana Cristina, pois foi...
E eu ainda acabo da mesma maneira, se algum se deixar completamente de entender a ironia (e, já agora, o humor).
:)
Obrigada pela visita!

Maria, Simplesmente disse...

Qual deles Xantipa?...
Não há direito que estes nomes sejam usados se qualquer maneira!...
Bom fim de semana
Maria

Xantipa disse...

O meu, Maria, o meu...
:)
Bom fim de semana!

carneiro disse...

Se não for para atribuir vantagens aos amigos para que serve alcançar o poder ?

Para beneficiar os inimigos ? Certamente que não. Era o que faltava.

Para se ser isento ? Então não era necessário ser-se eleito. Metia-se um Juiz de carreira em cada lugar que exigisse a tomada de decisões.

Só faz sentido ser eleito e atingir o poder para o exercer a bel-prazer. Com mais ou menos subtileza ou descaramento. (Pronto, está bem, reconheço que com Socrates tem sido com toda a alarvidade...)

É por isso que o Rei tomava as amantes que queria e desconfio que o chefe da caverna já ficava com a gaja com as mamas maiores...

Lúcio Ferro disse...

Beijo

Jorge Bernardo disse...

Política e corrupção. Poder e corrupção. São características permanentes dos homens que dominam os povos, considerando-se mais dotados que a plebe para subir na vida, à custa dela.Gosto do teu blogue pelo teu sentido de humor, o humor também tem muito poder.

Martinha disse...

Acho que damos demasiada importância à politica e pouca à nossa, mesmo nossa vida! Ao que gostamos de fazer, aos nossos amigos ... tudo o que nos rodeia e que convive connosco é que é importante! O governo governa ponto final!
Já não há paciência para ouvir dizer que o governo é o culpado de tudo! Somos o país mais pessimista da Europa! Isso não chega para explicar tudo?

adsensum disse...

Duras verdades.