07 maio 2009

A minha amiga Ana desafiou-me a dizer quais foram as séries que deram consistência à minha vida. A consistência que deram, não sei dizer, mas com alguma coisa devem ter contribuído, já que eu ficava sentadinha a vê-las.
A que tenho na memória como mais antiga, ninguém com quem falei se lembra dela. Nem na net encontrei, pois não sei qual o título original. Chamava-se Os meus sobrinhos e só sei que gostava muito de a ver.
Outra de que ninguém se lembra mas que está na net, é o Randall e Hopkirk . O problema era que eu só me lembrava de ser Randal e algo como «Opecaique» e foi um caso sério para a descobrir. Gostava daquele detective fantasma que entrava em todo o lado e que ninguém via e era atropelado no início de casa episódio (eu era pequenina e não sabia que se chamava genérico).
Do Casei com uma Feiticeira só me lembro daquele nariz que me fascinava! Mais tarde vi alguns episódios, mas não foi a mesma coisa.
Depois, mais crescidita, gostava de ver o Espaço 1999 - admirava a Barbara Bain e o Martin Landau, nomes que decorei desde essa altura.
O gosto pela ficção científica foi alimentado por O Caminho das Estrelas. O nome do actor que fixei foi o de Leonard Nimoy, o Mr. Spock. Vi nos EUA, em 2000, um documentário intitulado Trekies e percebi que o fenómeno dos fãs da série era impressionante e que eu não passava de uma mera apreciadora ocasional.
Recordo-me de gostar de O Sinal do Dragão, com David Carradine, da qual me ficou na memória o genérico em que se via o rapaz em criança e, mais tarde, como ficara tatuado no braço o sinal do dragão. Lembro-me ainda do professor cego que lhe dava lições de moral, em forma de adágios.
Uma casa na pradaria - A família boazinha e os detestáveis meninos mimados da loja lá do sítio. Vinha muito a propósito do espírito com que eu voltava da catequese.
Os pequenos vagabundos - ainda hoje me lembro da música, apesar de não me lembrar de mais nada. Bem, agora já não é bem assim, pois quando fui procurar no google e encontrei um episódio, vi que me lembrava de muito mais do que pensara.
Gente do amanhã (desta série sabia o nome em inglês: The Tomorrow People) - lembro-me de que eram jovens e que faziam viagens no tempo (assunto que ainda hoje me fascina).
Sandokan - Gostava muito de ver as aventuras do Tigre da Malásia. No ciclo preparatório, todas adorávamos os olhos do Kabir Bedi...
MacGyver - sempre me fascinou o modo como conseguia usar coisas simples para sair de situações complicadas e fazia-me sempre pensar que devia ter aprendido coisas daquelas nas aulas de físico-química. A personagem era um pouco irritante, porque era sempre muito bonzinho e nunca tinha namoradas.
Balada de Hill Street - Não perdia um episódio. Eram todos fantásticos!
Black Adder - Delirante! Custava-me sempre o episódio em que ele morria e irritava-me ao ver como era uma pessoa horrível... mas era irrestível. Ainda hoje digo uma frase que tantas vezes ouvi do Baldrick: I have a cunning plan... (o actor, Tony Robinson, era amigo de um amigo meu inglês, infelizmente já falecido). E foi lá que conheci o Hugh Laurie. Sim, sou das que gosta do Dr. House.
Colombo - confessar que já comprei todas as séries que saíram em DVD diz qualquer coisa... A personagem era tão forte, que foi estranho ver o Peter Falk no filme de Wim Wenders, As Asas do Desejo.

Passo a quem quiser!

9 comentários:

Rita F. disse...

Eu comecei a ver séries de televisão contigo! E lembro-me de veres a Balada de Hill Street com muitíssima atenção e eu, para variar, assustava-me com aquilo.
Também me lembro perfeitamente de um episódio do Colombo que tinha cães assassinos e o trenó do Citizen Kane, o Rosebud. Adorei esse episódio que, juntamente com um outro que apanhei noutro dia no RTP Memória onde entrava o Johnnny Cash, foram os únicos que alguma vez vi do Colombo.
Acho que Peter Falk no filme do anjo é um doce, porque ele tem ar de boa pessoa, assim como o Colombo era.
E é isto. Um beijinho.

Anónimo disse...

Tarzan,Bonanza,Zorro,Lassie... Em Busca do tempo Perdido!Como escreveu Manuel Teixeira Gomes in "Regressos" - "... Há uma tão penetrante beleza neste dia, nesta luz, neste mar, nesta paisagem que os meus nervos, vibram de felicidade, na consciência de viver, do gozo que a vida causa, e tão funda é a sensação que experimento que os olhos marejam-se-me de lágrimas." Bem-Dito.

Joaquim Baptista disse...

E a série "Viver no campo"? Lembra-se com a a Eva Gabor

Anónimo disse...

Cara Xantipa...quando quiseres e tiveres tempo para ver os "Pequenos Vagabundos/Le Trésor du Château sans nom",diz...

Oppugnatore

QJ disse...

olá!

tem piada que uma boa parte dessas séries eu conheço-as... e vi algumas... hoje cometi a loucura de ir ao cinema (sim, que ao preço que o bilhete está....) fomos ver Star Trek, vale a pena :-)

boa semana :-)

Tiago Taron disse...

O sinal do dragão era muito bom e como acontecia nos pequenos vagabundos a música ainda hoje permanece e dou comigo a trauteá-las em situações de aventura,como andar de metro (pequenos vagabundos) ou tentar acertar com a bola em que tornei o maço de Marlboro no cesto dos papeis (sinal do dragão). Nunca gostei do caminho das estrelas,aliás no outro dia diziam na Antena 3 que o Capt Kirk era o preferido dos rebeldes e o Mr. Spock o preferido dos marrões. Com todo o respeito sempre achei que o caminho das estrelas era só para os marrões, como aquelas enciclopédias que se vendiam em fascículos, ou os cromos sobre as invenções,sei lá, que digo eu.

ritz_on_the_rocks disse...

..eu lembro-me ... eu lembro-me dos meus sobrinhos ... era bem gira ... a série

Não me lembro do título original ... e da série tenho uma vaga ideia ....

Abraço
Rita V.

Rita Vasconcellos disse...

Olá
Só para complementar 'Os meus Sobrinhos'

http://www.imdb.com/media/rm2290718208/tt0059982

Family Affair is a situation comedy television series that aired on CBS from September 12, 1966 to September 9, 1971. The series explored the trials of well-to-do civil engineer and bachelor Bill Davis (Brian Keith) as he attempted to raise his sister's orphaned children in his luxury New York City apartment. Davis's traditional English gentleman's gentleman, Mr. Giles French (Sebastian Cabot), also had adjustments to make as he became saddled with the responsibility of caring for 15-year-old Cissy (Kathy Garver) and the 6-year-old twins, Jody (Johnny Whitaker) and Buffy (Anissa Jones).

The show ran for 138 episodes. Family Affair was created and produced by Don Fedderson, also known for My Three Sons.

Brian Keith was nominated three times for an Emmy for his role as "Uncle Bill." The theme music was composed by Frank De Vol.

Buffy's doll, "Mrs. Beasley", which she often carried with her, was marketed as a popular toy in the United States.


Abraço
Rita V.

Rui disse...

Não afirmo com absoluta certeza mas penso que a série se chamava "O tio e os sobrinhos" e lembro-me dela com moderação...

Cumprimentos:

Rui V.