05 setembro 2007

A minha avó Stella...

... faria hoje 105 anos, se fosse viva.
Foi, talvez, a pessoa mais marcante na minha formação como mulher.
Quando a minha irmã se casou, pensei que ia ficar com o quarto só para mim, mas a avó mudou-se e, dos meus 10 aos 19 (quando morreu), partilhámos o espaço, os sentimentos, as conversas, as leituras... A ela devo ter começado a ler Eça de Queiroz, Júlio Diniz, Erico Veríssimo, entre outros, nas longas férias de Verão dos meus 10, 11 e 12 anos. Ajudou-me a esconder «O Crime do Padre Amaro» do meu pai. E sabia que nessa altura eu lia Zola e Balzac (sem preceber metade daquelas relações), ajudando-me e explicando-me muitas coisas.
Inteligente, culta, bonita, elegante (qualquer trapinho lhe ficava bem) e muito prendada. E não era só o piano e o francês. A minha avó sabia cozinhar na perfeição e era ela que fazia os meus pijamas (gostava de calção e top de alças, modelo que não havia para crianças).
E estava sempre a cantar pela casa toda, com uma voz linda.
Cantava músicas da sua terra e ensinava-mas.
Eu, pequenina e gorducha, lá ia desafinando, baboleando-me e acompanhando a letra com os gestos que ela me ensinava, fazendo rir as visitas da casa:

«Chiquita bacana lá da Martininica
Se veste com uma casca de banana nanica»

Sempre que não sei o que fazer, sempre que me falta um conselho adulto (sim, porque muitas vezes sinto-me pequenina, deitada na cama, à espera que me venha ajeitar os lençóis e me dê seus beijinhos coloridos, tal como os sonhos: beijinhos cor-de-rosa na cara, azuis na testa, verdes no nariz...), é nela que penso.

Tenho saudades da minha avó!

13 comentários:

damularussa disse...

Sorrio com ternura.

Um beijinho querida amiga, tambem eu sinto saudades da minha...*

SOBE E DESCE disse...

Gostava muito de ter conhecido uma avó.
Foram embora antes de eu chegar

Anónimo disse...

Adriana,
Desculpe lá a curiosidade, mas a sua avó não era portuguesa, pois não? Ou então viveu ou nasceu no estrangeiro. Terá sido no Brasil?
Gostei muito deste seu post (desculpe o estrangeirismo).

francisco disse...

xantipa: não me recordo da tua avó stella, mas a loja da d. stella é das recordações de criança mais engraçadas...

Xantipa disse...

Obrigada, Damularussa!
Não consigo deixar comentários no teu blogue...
Beijinho!
:)

Cara Sobe e Desce,
Eu até tive sorte: conheci a mãe da mãe e o pai do pai.
:)

Caro (ou cara) Anónimo(a),
A minha avó era brasileira, de S. Salvador da Bahia, filha de português e de brasileira (de Ilhéus).
:)

Caro Francisco,
Não consegui aceder ao teu perfil, e por isso não sei quem és, mas devemos conhecermo-nos.
:)
A loja da D. Stella era um must!
Lolllllllll
Beijinho

Joaquim Baptista disse...

Sorte sua em ter uma avò assim. Culta e bonita.
Parabéns

teresap disse...

Não conheci a tua avó Stella, mas conheço a sua filha Stelinha e a sua neta Adriana! Que boas recordações as tuas.

Príncipe Valente disse...

Diana,
Lembra-se do cavaleiro de um comentário anterior. Sou eu o anónimo.

marta disse...

Já somos duas.
Ando outra vez com umas saudades doidas da minha avó.

Que coisa!


Beijinho grande

Teresa disse...

xantipa,

há quanto tempo eu não vinha cá...

também tenho recordações assim das minhas avós. por vezes, até lhes sinto o cheiro :)

até breve.

SOBE E DESCE disse...

Xantipa:
Que sorte teve, eu ainda conheci i meu avô paterno já muito doente, lembro-me dele na cama, morreu era eu muito pequenina. Foi o mesmo que não conhecer.
Por uma defenição deficiente do meu computador, que até que enfim consegui descobrir qual era, só hoje vejo o seu blog a cores.
É lindo e alegre.
Gosto muito.

Xantipa disse...

Obrigada, Joaquim.
De facto, conviver com a minha avó era um privilégio. Todos os meus amigos adoravam!
:)

Querida Teresap,
Não conheceste a minha avó por pouco: nós as duas conhecemo-nos no início do 1º ano de faculdade e a minha avó morreu no fim desse ano lectivo...
Beijinhos

Obrigada, cavaleiro Prícipe Valente.
Espero que tenha lido a minha resposta ao seu comentário sobre o cavaleiro...
:)

Querida Marta,
As avós são tão importantes! Gostava de ser avó! Só me falta um pequeno pormenor para isso ser possível...
Beijinhos

Teresa,
Ainda bem que vieste até cá! Eu vou espreitando as tuas danças...
Beijinhos

Sobe e Desce,
Muito obrigada pelo elogio!
Beijinhos

Davi Reis disse...

Bonita avó... e bonito post.

Um beijinho