13 junho 2007

Da beleza

Como as folhas descoloridas dos lírios secam
e as pétalas das rosas com que se entretecem grinaldas murcham,
assim também o brilho que irradia da frescura do rosto
é arrebatado num momento e nenhum dia há que não
leve consigo um despojo do esbelto corpo.
A beleza é vantagem fugaz. Que sábio confia
num bem perecível? Enquanto podes, desfruta-o.

Séneca, Fedra, trad. de Ana Alexandra Alves de Sousa, para as Ed. 70.

1 comentário:

arribro disse...

e a beleza das rugas? os sulcos da alma,rasgos de pensamentos.
A luz, a frescura de um pensamento, não tem tempo.