18 junho 2007

Prazer da velhice

(continuação)


Se a soubermos usar, a velhice é uma fonte de prazer.
Os frutos tornam-se mais agradáveis quando estão a ficar passados; é no seu termo que mais brilha a graça da infância; aos bebedores, o último copo é que dá mais prazer, aquele que culmina e dá o último impulso à embriaguez; aquilo que cada prazer tem de mais saboroso é guardado para o fim.


Séneca, Cartas a Lucílio, 12, 4-5.

3 comentários:

Rui Luís Lima disse...

o prazer de ler um livro na tranquilidade dos dias= o pequeno prazer de quem ama a biblioteca:)
beijinhos
paula e rui lima

Xantipa disse...

Isso!
:)
Beijinhos!

SOBE E DESCE disse...

A velhice é bela quando os acontecimentos que são recordação são abrilhantados com o papel dourado do amor e as fitas dos beijos passados e alguns presentes.
Quando em socêgo se pode recordar os, ouvir música que gostamos, ler um livro e dar a mão a um amigo e sobretudo vêr que o céu é azul.