15 junho 2007

Língua amarga...

A rectidão e a bondade, eis o que, em especial, cativa os corações;
A aspereza suscita o ódio e guerras cruéis.
Odiamos o falcão, pois vive sempre metido em guerras,
E os lobos, acostumados a atacar rebanhos amedrontados;
Mas vive livre das armadilhas dos homens, por ser mansa, a andorinha,
E a ave da Caónia* habita livremente as terras onde mora.
Longe daqui as contendas e os combates de uma língua amarga!

É de doces palavras que tem de sustentar-se a brandura do amor

* A pomba.

(Ovídio, Arte de Amar, II, 145-152)

4 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Eu por acaso gosto do falcão e do lobo... também não ando às chumbadas à andorinha nem aos pontapés às pombas, mas pronto.

Joaquim Baptista disse...

Palavras sábias

SOBE E DESCE disse...

A andorinha por ser mansa julga o mundo tão puro como ela e por vezes, metem-na em encrencas. O falcão não faz mais que atacar para sobreviver, pois sabe que se não o fizer matam-no e exibem-no como troféu.
Hoje é difícil sobreviver à maldade.

Oppugnatore disse...

Ñum mundo de carneiros...há quem seja Falção!
Mesmo que fique só, pode dizer que saboreou o vento,provou e viu ...logo viveu!