01 agosto 2008

se a tanto me ajudar o engenho e a... dor


(...) és transportado pelas velas do engenho ao mesmo tempo que pela dor; e cada um destes foi a ajuda um do outro. Pois o engenho acrescenta dignidade e magnificência à dor e a dor acrescentou força e amargura ao engenho.


(Carta 20 de Plínio a seu amigo Nóvio Máximo, a propósito de um livro que este escrevera . Tradução minha. Ler outras cartas aqui e aqui.)

2 comentários:

Claras o contestatário disse...

Não sei a que dor se refere Plínio, mas hoje estou sensível demais à dor, que vi em videos do que se tem passado nos treinos para a abertura dos jogos olímpicos, na China.

Noutro dia qualquer teria dito que Plínio tinha razão, hoje não o consigo dizer.

beijinho

Xantipa disse...

Querida Minucha,
«Dolor» pode ser dor, física ou moral, daí permitir traduções muito amplas, como revolta, indignação.
Por acaso, neste contexto (não visível na carta em geral nem neste excerto) até será algo mais próximo destes dois sentidos que te referi.
O livro de Nóvio Máximo tinha arte de escritor misturada com raiva, revolta contra certas situações, resultando numa obra de arte.
Beijinhos