04 setembro 2008

Foi quase como dizer: «Ó Sócrates, desculpa a franqueza, mas és feio»


Muitos homens têm a mania de dizer que não sabem apreciar outros homens. Sabem, pois. Vejam só o que diz Teodoro a Sócrates sobre o jovem Teeteto:


Se fosse bonito, teria bastante receio em afirmá-lo, para que não parecesse que estava apaixonado por ele. Agora, na realidade - e não te aborreças comigo -, não é bonito, pois é parecido contigo pela forma achatada do nariz e pelos olhos salientes; só que tem estes traços mais suaves do que tu. Estou a falar à vontade.

Platão, Teeteto, 143e.

7 comentários:

Lúcio Ferro disse...

Ó Xantipa, rapariga, e isso é coisa que se escreva, sem mais água vem nem fogo fica a leitores incautos?..


Francamente.

carneiro disse...

Pois, parece que há próximos de Sócrates que apreciam...

Xantipa disse...

Que queres, ó Lúcio? Sou conhecida pelo meu mau feitio e também por não abonar muito em beleza. Mas o meu Sócrates sempre me defendeu.
:)

Sim, Carneiro, até o jovem Alcibíades (outro que dizia mal de mim, mas Sócrates defendeu a sua Xantipa). Mas, pelo que me parece, era mais ele que apreciava os outros, se bem que no nosso tempo (meu e de Sócrates) as coisas eram vistas de outra maneira.
:)

Rui disse...

Tudo depende do sentido da palavra "apreciar".
Diga-se, de passagem, que Teodoro é extremamente cuidadoso no que diz (também com, não a língua propriamente, mas com o cérebro viperino de Sócrates, não era brincadeira nenhuma...).
Curiosamente, não pude deixar de reparar que esta fala de Teodoro representa um exemplo tocantemente claro e ingénuo do mecanismo freudiano da negação.
Voltemos aos sentidos da palavra "apreciar".
Se admitirmos o sentido em que apreciamos um quadro de Francis Bacon ou, para não sermos mauzinhos, a dança de um Baryshnikov, então do mesmo modo somos capazes de apreciar fisicamente um homem sem problemas de maior.
Mas se se tratar de apreciar a mulher desconhecida que nos sorri, olhos nos olhos, do outro lado do bar (nós, homens, adoramos sonhar com estas coisas), já NÃO é assim que apreciamos outro homem!
Quanto a essa história de "não abonar muito em beleza", deixe-me que lhe diga que isso não é verdade.
Tenho dito.

Xantipa disse...

Bem visto, Rui.
A Xantipa agradece a negação da afirmação.
;)

Maria, Simplesmente disse...

Xantipa, que Socrates era esse?...
O antigo ou o moderno?...
Bj
Maria

Xantipa disse...

Falo do meu falecido, Maria. O moderno até que não é mal-apessoado.
:)