15 setembro 2008

fragmentos...


Comprei este livro. Já saíu em Abril, numa edição da INCM e em tradução de Carlos Martins de Jesus, mas só agora veio parar à minha mão. Ao procurar a imagem do livro, encontrei-a aqui, acompanhada de uma grande crítica, o que me dispensa de o fazer.

Enquanto lia Arquíloco, lembrei-me da graça que acho a fragmentos. E admiro quem consegue, de breves linhas, por vezes muito truncadas, retirar algum sentido.

Há muitos anos, ao ler os Poemas e Fragmentos de Safo, por Eugénio de Andrade, encontrei um dístico lindíssimo:

Pudesse esta noite durar
não uma mas duas noites inteiras

Quando procurei o texto grego (fragmento 197, L.-P.) , encontrei o que se segue, escrito por Libânio:

Se ninguém impediu Safo, de Lesbos, de dirigir uma prece à noite para que, para si, durasse duas vezes, também a mim seja possível fazer um pedido semelhante.

Alguém, desavisado, ao ver um livro de fragmentos, pode imaginar que isso é o resultado da tradução de pedacinhos de manuscritos encontrados em qualquer extraordinária escavação. Como este exemplo mostra, Libânio é do séc. IV e o que temos dele é uma citação, de memória, provavelmente, de algo que lera ou que ouvira dizer que Safo, uns 900 anos antes, dissera...

Através de citações que outros nos trouxeram, vamos podendo recompor o que teria sido a obra de este ou de aquele poeta.
Ler fragmentos é, de facto, um trabalho que exige muito conhecimento do que se tem escrito ao longo dos séculos, mas, também, muita imaginação.

11 comentários:

Teresap disse...

Interessantissima a tua reflexão e... aviso!
A propósito de Arquíloco, devo dizer-te que não me esqueci do texto sobre o S. Gonçalo (patrono das solteironas). Estou a completá-lo com um outro sobre S. Mateus (o das coisas roubadas).
Uf! Que forma tão atabalhoada de falar de sacralidades!

Funes, o memorioso disse...

Há algo de misteriosamente perturbador nos fragmentos. O que saberemos desses autores meio perdidos? O que saberemos dos outros que nem sequer sabemos que existiram?
Que coisas geniais terão dito e escrito e que se perderam?
Quais as que ainda esperam que as encontremos?
Quais as que estão definitivamente perdidas?
De algum modo, somos mais felizes assim. Podemos brincar indefinidamente a este jogo da descoberta e da redescoberta.

Peter of Pan disse...

Está de parabéns, a INCM. Tem vindo a publicar os grandes gregos (Aristóteles, Platão, até Heraclito), mas nunca pensei que recuassem até Arquíloco. A comprar, assim que puder!

Rui Luis Lima disse...

Muitas vezes lemos uma pequena frase/um fragmento que nos fascina e perturba por vezes e quando descobrímos os séculos que essas mesmas palvras percorreram até chegar ao nosso conhecimento/descobrimento, só podemos ficar fascinados.
Beijinhos
Paula e Rui Lima

Anónimo disse...

Também li alguns "pedacinhos" da tradução de Eugénio de Andrade sobre os excertos de Safo e gostei bastante.
Penso que algumas pessoas não dão o devido valor à tradução de algo tão complexo como fragmentos hiper-valiosos, não só pela sua antiguidade, mas por tudo o que nos ensinam, apesar de serem pequenas "amostras" de texto.
Um beijinho
Ana Paula

Professor disse...

Este é um comentário de solidariedade.
Como é que uma mulher, qualquer mulher, pode aturar um ranhoso, andrajoso, porco e ainda por cima filósofo?
Ó Xantipa,Sócrates abominava-a! Como pôde escolher tal nome para as suas postagens?

Xantipa disse...

Teresap
Já cá chegou tudo!
:)

Funes,
É sempre muito excitante a descoberta de novos fragmentos!
:)

Peter of Pan,
Tem razão. A INCM, a par com a Gulbenkian, têm feito um excelente trabalho de edição, sim.
:)

Paula e Rui
É isso mesmo!
:)

Querida Ana Paula,
Para quando o nosso encontro com a Cartas a Si?
:)

Caro Professor,
Ah! Os filósofos conseguem ser fascinantes!
Além disso, cá a Xantipa era conhecida por ter mau feitio. Mas isso era dantes. Hoje, viúva, sou uma paz d'alma.
:)

Anónimo disse...

Olá Xantipa. Uma vez que vivemos tds "na zona", não é assim tão complicado. Os horários é que são chatos de se conciliar porque ela só folga durante os meus dias úteis.É do contra LOL. Mas pronto, iremos tentar arranjar um dia.
Qualquer dia tb ainda apareço no seu gabinete na UAlg e faço-lhe uma surpresa com o meu filhote, pode ser???
Um bj mt grande e continue com este blog maravilhoso
Ana Paula

Xantipa disse...

Sim, claro, apareça! Mas avise primeiro, pois posso não estar.
Mande-me um mail para o gmail, porque não consigo encontrar o seu.
beijinho

Nuno Firmino disse...

Que frase bonita, mas se a noite está a ser tão bela como imagino, atrevo-me a reformular:

Pudesse esta noite durar para sempre!

Pode não ser uma frase tão bonita, mas a noite, se Deus quisesse, iria durar mais do que duas noites...

Ai em cima, a azul, o meu novo blog

sem-se-ver disse...

adorei a tua resposta ao 'professor'!!

:D