26 dezembro 2007

Muitos prodígios há; porém nenhum maior do que o homem

O caríssimo Broto ofereceu-me um dia uma prenda linda.
O que aqui lhe deixo não se lhe compara, mas é com boa vontade. Uma proposta, em Português, para o seu último postal.

Muitos prodígios há; porém nenhum maior do que o homem (1).
Este, com o tempestuoso vento do Sul, avança para lá do mar cinzento
e ultrapassa as grossas vagas que rugem à sua volta.
E cansa a infatigável Terra imortal,
a mais poderosa das divindades,
revolvendo-a com a raça dos cavalos,
de um lado para o outro com as charruas, ano após ano.
O homem muito hábil, enlaça a tribo de aves de voo ligeiro,
e leva, em redes bem tecidas a raça de animais selvagens e marinhos;
domina, com invenções engenhosas,
os animais dos campos que andam no mato;
e o cavalo de longas crinas é levado pelo jugo que lhe envolve o pescoço,
tal como o indomável touro montanhês.
Aprendeu a linguagem e o pensamento ágil,
os costumes civilizados,
e, pleno de expedientes,
aprendeu a fugir do gelo
e dos ataques da chuva importuna nos lugares descobertos
e que tornam difícil a permanência ao ar livre.
Não avança no futuro sem recursos.
Apenas ao Hades não poderá fugir;
no entanto, meditou com outros o modo de escapar
a doenças para as quais não havia recurso.
O saber engenhoso da sua habilidade inesperada pende
umas vezes para o mal, outras para o bem;
ocupa um lugar cimeiro na cidade,
confundindo as leis da terra e a justiça dos deuses,
confirmada por um juramento;
é indigno de viver na cidade se o mal se associa a ele,
devido à sua audácia.
Que não se sente no meu lar quem assim for nem seja meu amigo o que pratica tais acções!

Sófocles, Antígona, vv. 332-375

(1) A tradução deste passo é minha, se bem que a versão para Português do primeiro verso pertença a Maria Helena da Rocha Pereira, na sua edição da FCG.

4 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Nem me meto nesse assunto...

Aproveito apenas para te deixar uma valente beijoca, e o desejo de um 2008 em grande, com pelo menos 366 dias!

Rui Luís Lima disse...

Olá Senhora Sócrates!
Cada vez mais neste século XXI em que vivemos o pensamento dos nossos antepassados é de uma lucidez que merece ser sempre recordada. Temos ainda tanto para aprender com eles:)
beijinhos
paula e rui lima

Nilson Barcelli disse...

O Homem é mesmo o maior prodígio, para o bem e para o mal...
É capaz de dominar tudo e todos, mas tem grande dificuldade em dominar-se a si próprio.
Um óptimo 2008 para ti.
Beijinhos.

goldluc disse...

Olá, Xantipa!
Para além das desculpas pelo atraso (coisas da Quadra...)quero dizer-lhe que não mereço tal honra. O privilégio de obter assim, de 'mão' tão hábil, esta competentíssima tradução é prenda que não se merece. Não há, por isso, agradecimentos suficientes. Mas tenho que tentar justificar-me da 'vergonha' do meu postal. De facto conheço a excelente tradução da Professora MH Rocha Pereira ...e outros trechos da Antígona traduzidos e que por aí circulam. Mas deliciei-me com esta tradução castelhana pela 'melodia' que esta língua empresta ao texto. Gostei e por isso partilhei com os meus amigos. Espero que me desculpe a impertinência e o arrojo.
Sempre a considerá-la (...e agora ainda mais!).
Muito obrigado pelo 'presente' (e por tudo) e votos de um 2008 sereno.