22 junho 2008

queda dos deuses

Uma acção mais poderosa deitara abaixo os deuses; o brilho das coisas era já o brilho exclusivo das coisas, uma fogueira tinha luz devido à sua matéria concreta, o divino já não era um elemento que ilumina ainda mais, era simplesmente uma outra coisa, fora já da oposição claro/escuro.

Gonçalo M. Tavares, Aprender a rezar na Era da Técnica, p. 27

4 comentários:

Maria, Simplesmente disse...

Xantipa, mais uma vez obrigada a sua ida ao meu blog.
Sabe uma coisa Xantipa ando com pouca paciência para estar presa, a actualizar estes espaços. Hoje lá perdi mais um bocadinho. Agora gosto mais de sair para fazer fotografia, com que ando muito entusiasmada.
Bj e boa semana.

Méon disse...

Tenho esse livro ali em cima da mesa e ainda não o li a sério.
Pode ser que esta seja uma motivação...
Boa semana.

Xantipa disse...

Maria,
Faz muito bem em sair para fotografar me vez de se sentir presa com a actualização do blogue.
:)
Vá mostrando o que faz!
Beijinho

Méon,
Boa leitura, então!
Beijinho

Anónimo disse...

Parece que o livro _Aprender a Rezar na Era da Técnica_ se apresenta como romance... Com frases destas (que pertencerão a muita coisa mas sem dúvida não ao modo narrativo), depois queixem-se de que as pessoas preferem os romances do Dan Brown ou Rodrigues dos Santos... Se nem a todos é dado aprender a difícil arte de contar histórias, por que será que se não dedicam à lírica...

Um Caturra