20 maio 2007

Blogue do Cineclube de Faro


Não costumo escrever postais sobre blogues (se bem que o deveria fazer. Qualquer dia comento alguns de que gosto especialmente), mas este merece destaque.
Falo do novo blogue do Cineclube de Faro, apresentado na passada sexta-feira, no Teatro das Figuras, em Faro.
Este cineclube é mesmo especial!
Fez no ano passado 50 anos de existência ininterrupta e, pelo menos desde que me fiz sócia, com uma programação excelente e actividades cativantes.

Na sexta-feira encerrou o ciclo das comemorações do aniversário com a exibição do filme Dom Roberto, de Ernesto de Sousa, produzido pela Companhia do Espectador, isto é, um grupo formado por sócios de cineclubes.
Na mesma linha, o cineclube de Faro conduziu uma subscrição junto dos seus sócios para que custeassem a obra.
E assim foi. Devido à contribuição de de 41 sócios a encomenda foi feita e pudemos ver e ouvir a belíssima Suite para Dom Roberto de Bernardo Sassetti Trio. Um magnífico espectáculo!

O filme é lindo! A preto e branco, de uma ternura infinita!
Cheio de nomes conhecidos hoje por todos, bem jovenzinhos naquela altura, dei por mim a fazer uma coisa a que acho graça: tentar reconhecê-los ali e ver nestes as mudanças que a idade trouxe.
Raul Solnado estava igual, bem como Adelaide João e Nicolau Breyner. Glicínia Quartim era linda em jovem e aquele que eu mais procurava, Rui Mendes, cujo nome vira nos créditos, nada de aparecer. Até que um grande plano me satisfez a curiosidade: fazia o papel de um rufia de bairro, cabelo à Elvis, gola da camisa levantada e mangas arregaçadas! Irreconhecível! Só mesmo um plano do rosto me fez ver como era! Lindo!

O filme foi às 18, o concerto às 21.30 (bem... às 22, pois a nossa querida Anabela Moutinho fez uma emocionada e emocionante introdução) e, no fim, tivemos um «rebuçado»: uma pequena rábula de teatro de fantoches, por um bonecreiro à antiga, que não quer deixar morrer Dom Roberto!

Lindo, lindo!

1 comentário:

Rui Luís Lima disse...

olá!
este filme do Ernesto de Sousa, feito com a boa vontade dos participantes, foi o "pontapé de saída" do que ficou denominado por "novo cinema português", só o vimos uma única vez já lá vão muitos muitos anos, numa daquelas sessões paralelas levadas a efeito pelos amantes do cinema:)
Já do Cine Clube de Faro sabemos da sua existência e luta pela divulgação do cinema, infelizmente estamos longe (lisboa), mas sempre que descobrímos as suas edições, elas entram na nossa biblioteca, moram por aqui, três edições e vamos "investigar" o site***
paula e rui lima